Princípios da Rede


A REDE INTERNACIONAL CASLA-CEPIAL (SEMEANDO NOVOS RUMOS – SEMBRANDO NUEVOS SENDEROS) surge a partir do III CEPIAL, em julho de 2012, na cidade de Curitiba, Paraná, Brasil, aproximando organizações sociais, instituições acadêmicas e outras instâncias do poder público, no âmbito de América Latina e Caribe – mas aberta também a outras regiões e continentes – e busca fortalecer o diálogo e ações conjuntas que visem o apoio ao desenvolvimento sustentável e à ampliação da participação democrática e da preservação dos direitos coletivos de sociedades e povos que vivem em situações de vulnerabilidade social.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Breve relato sobre o V CEPIAL - Encuentro Internacional MINGA PARA LA PAZ, EL BUEN VIVIR Y LA NO VIOLENCIA - 2017

Breve relato sobre o V CEPIAL, no contexto do Encuentro Internacional MINGA PARA LA PAZ, EL BUEN VIVIR Y LA NO VIOLENCIA – Pasto – Departamento de Nariño – Colômbia – 19 ao 23 de junho de 2017.


Participação da Rede Internacional Casla-Cepial:

Com a presença de participantes brasileiros (mais de 50 presentes só do Brasil), além de argentinos, chilenos, mexicanos, colombianos, guatemaltecos, equatorianos, panamenhos, peruanos, venezuelanos e kurdos, o evento, com mais de 400 participantes, caracterizou-se por um profundo entrelaçamento de culturas, representações de populações indígenas, afro-colombianos, pesquisadores, estudantes e organizações sociais, autoridades locais, nacionais e internacionais.


Na abertura do Encontro Internacional e do V CEPIAL, a Rede Internacional Casla-Cepial contou com a saudação da coordenadora geral, Dra. Gladys Renée de Souza Sanchez, que fez um emocionante manifesto pela paz, ressaltando que a mesma só faz sentido se for entendida como processo de construção em que os protagonistas são os próprios atores sociais, na perspectiva dos direitos humanos e da visibilização e correção das exclusões históricas das populações subalternas; em sua fala, foram abordadas vivências culturais por meio de metáforas e escritos literários relativos aos encontros, desencontros e imaginários sobre os trens, como alusão ao constante transitar de pessoas ao longo dos caminhos, encontros e desencontros, presentes em muitas narrativas dos escritores latino-americanos.





O evento contou com amplas conferências pelas manhãs dos dias 20, 21 e 22, com os seguintes temas:

* Dia 20 pela manhã: Guerra, globalização e re-existências, por meio de relatos, análises e depoimentos de mexicanos, colombianos, brasileiros, kurdos, equatorianos e venezuelanos.

* Dia 21 pela manhã: Conflito, pós-acordo, pós-conflito e reconciliação, com a presença de representantes das FARC, analistas políticos e acadêmicos.

* Dia 22 pela manhã: Mulheres, diversidade e mundos possíveis, com a participação de mulheres da Colômbia, Argentina, Guatemala e Brasil.

* Dia 23 pela manhã: Bem Viver e Paz com a Natureza com conferencistas do Equador, Colômbia, Chile, Panamá e Perú.

Rituais Místicos foram realizados no Pátio da Universidade, a fim de despertar a espiritualidade dos participantes com os elementos da natureza e os territórios autóctones das etnias andinas.





Pelas tardes, dos mesmos dias 20, 21 e 22, foram realizadas dezenas de mesas redondas em que foram debatidos os seguintes eixos temáticos: Territórios, culturas e naturezas na perspectiva biocultural; Bem viver e alternativas ao desenvolvimento; situação e apostas das mulheres em tempos de guerra e paz; Pedagogias para a paz, bem viver e sustentabilidade; Estéticas e narrativas audiovisuais de paz e conflito; Sujeitos subalternos, práticas sócio-políticas em situação de vulnerabilidade socioambiental; Espiritualidades, cosmovivências e práticas de libertação; Crise da democracia: Brasil, Venezuela e Colômbia – (i)legitimidade política, reformas e atropelo aos direitos sociais ; Gestão do território; Economias para a vida, cultivos lícitos e ilícitos; Soberania e segurança alimentar; Reforma agrária; Paisagens, territórios e naturezas em contextos de modernidades múltiplas; Violência de gênero, discriminação e inclusão social; Gênero e interculturalidade para a construção da paz. Todos os dias ocorriam apresentações artísticas, musicais, mostras de fotografia, murais, místicas com cosmovisões indígenas, feiras de livros.






Destacamos a belíssima apresentação musical no Teatro Imperial da cidade de Pasto da cantora brasileira (curitibana) Juliana Cortes Moraes (Grupo Invento Cultural) acompanhada por Fabrício Gambogi (violão) e Clarissa Ferreira (violino).



Na sexta-feira, dia 22, pela tarde, foi realizado o Carnaval para a Paz, com carro alegórico, bandas e fanfarras, com o passeio pelas ruas de Pasto, sendo que a apresentação contou com os aplausos da população que assistia nas calçadas da cidade.






A delegação brasileira fez uma visita a uma reserva ecológica Recanto Andino, em La Cocha, cuja gestão socioambiental é liderado pelas mulheres, cuja líder, Dueña Conchita nos recebeu e fez um relato emocionante das lutas de resistência de mais de 30 anos, como construção do Bien Vivir, baseado na concepção do desenvolvimento à escala humana dos ecologistas chilenos Manfred Max-Neef e Antonio Elizalde, em que se pratica a agroecologia e a gestão compartilhada dos bens comuns naturais. Na reserva ecológica pudemos passear pelas trilhas e visitar o Páramo em que se encontra a planta chamada de Frayleón que cresce 1 cm. ao ano, sendo que há plantas com mais de 500 anos.





Por Dimas Floriani

5 comentários:

  1. Parabéns meus irmãos da CASLA, pelo brilhante trabalho que sempre fizeram, fazem e farão, em prol da paz, da solidariedade e da fraternidade. Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns meus irmãos da CASLA, pelo brilhante trabalho que sempre fizeram, fazem e farão, em prol da paz, da solidariedade e da fraternidade. Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo excepcional trabalho que a Rede Internacional CASLA/CEPIAL vem desenvolvendo há anos em torno dos direitos coletivos de comunidades, povos originários, populações tradicionais, refugiados entre outros, em perspectiva brasileira e latino-americana, bem como os vários projetos e inserções sócio-políticas realizadas e em andamento. Isto é resultado de muito trabalho, luta por direitos, competência e idealismo dos seus fundadores, Dimas e Gladys, bem como todos os voluntários engajados na mesma causa. Parabéns a toda Rede pelo brilhante evento do V CEPIAL na Colômbia. A narrativa e as fotos dão uma pequena dimensão da grandiosidade e importância desse evento na América Latina, principalmente, em dar voz aos atores. Parabéns!

    ResponderExcluir